10 de ago de 2010

Longa noite



Era um prédio bem bonito. Uma construção bem elegante e eu estava num elevador. Fiquei com muito sono, como se tivessem injetado um sonífero em minha veia. Não consegui resistir, e dormi, ali mesmo onde estava.

Quando acordei estava em uma cama de hospital, com alguém do meu lado, me observando com uma cara muito feliz. Me perguntei porque a pessoa estaria feliz já que eu estava no hospital. Foi quando a pessoa, de quem eu não consigo me lembrar o rosto, finalmente se manifestou:

“-Graças a Deus!”

Me perguntei o que estaria acontecendo. Não estava muito pra conversa e fiquei olhando a TV. Passava algum noticiário, que falava sobre notícias estranhas. Era como se o mundo tivesse mudado de um dia pro outro, no intervalo de tempo em que eu dormi. Entao, descobri a pergunta certa a se fazer:

“-Quanto tempo eu dormi?”

E a resposta me surpreendeu:

“-Seis meses.”

Fiquei ali, estática. Não sabia muito bem o que havia acontecido, mas senti que havia nascido de novo.

Algum tempo depois eu estava em uma sala escura, com uma luz no centro, como aquelas salas de interrogatório de filmes policiais. Eu estava conversando com uma conhecida, e eu queria contá-la sobre o ocorrido, queria dizer que eu dormi por seis meses e não sabia porque. Mas ela começou a me contar sobre uma doença que ela havia contraído, sobre seu sofrimento, seu tratamento, e seus problemas.

Aquilo me comovia tanto que esqueci completamente o que eu precisava dizer. No fim, minha emoção era grande e a única coisa que pude fazer foi beijá-la.

2 comentários:

  1. Na verdade, acho que estou precisando dormir uns seis meses para poder descansar da facul...kkkk
    Seu carisma foi grande, uma ótima qualidade.
    Abraço
    perplife.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. hahhaa... só vc, Ana.
    Muita criatividade pra uma pessoa só!
    Sua mente é fértil, qual adubo a senhora usa? hehehe
    Saudade de vc =(

    ResponderExcluir